Tua língua


com que palavras
posso dizer-te um poemanão inventarei nenhum verbopara te fazer abrir um sorrisosó alimentarei dentro mim
a fome da tua própria línguaquerendo dizer-mete quero

Comentários

SIGRID SPOLZINO disse…
Esse, eu ouvi em primeiríssima mão! Aplausos, poeta! Baci