MANO TCHELLO


irmão martchello
do mar
do fogo
da terra
do ar

desvelo de tudo
fincado no chão
em verso profundo
inverso do mal
oriundo do bem
dos palcos
do sul                                             
toldo do norte também

tchello
soneto completo
arquiteto
cordel
viola e martelo
caneta e papel

irmão das letras
poemínimos
máximo lúcido
lúdico louco
poeta menino

(Renato Gusmão)

Comentários

BRISA disse…
Espetacular este poema dedicado ao Tchello, marecedor, sem dúvida, de tanta inspiração. Também gostei do primeiro poema onde Renato fala de uma "Biografia". O poema tem uma forte conexão com o momento do "Eu" manisfestado em nossa sociedade atual. No segundo poema/letra de música, pode-se sentir o ritmo que segue uma cadência transposta para a melodia. Acho que o Renato é um poeta arejado, criativo e que passa muito longe da mediocridade. Ele abraça a poesia com fúria articulada e estratégias sonoras na ponta da língua. (Jiddu)
TIRANDODELETRAS disse…
Pronto, agora sou blogueiro de verdade!
Jiddu, vc me arremesa para longe daqui...
Obrigado pelo comentário, cara!
Marisa Vieira disse…
Sensacional, merecida e bela homenagem!
Parabéns Renato
Tchello d'Barros disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Tchello d'Barros disse…
Um privilégio ser nominado num poema desse que é um dos poetas mais queridos da Amazônia! Um poeta-ator-letrista-músico-blogueiro-agitador cultural!

Égua, mano, quando eu crescer, quero ser como esse moço!

Abç! quântico!
Tchello d'Barros
Belém-PA